Careca e feminina: cabelo raspado é tendência entre mulheres

MOLDURA DO ROSTO TEM SIDO MEUS BRINCOS NADA PEQUENOSA estudante de jornalismo Vyk Barbosa decidiu raspar o cabelo durante uma viagem a São Paulo. Queria provar pra mim mesma que sou bonita até sem cabelo, me desafiar!, explica a jovem, que viu sua liberdade aumentar com o novo visual. Não só me sinto mais livre como também ultrapassando minhas expectativas na questão de segurança como mulher, quebrando aquele tabu de o cabelo é a moldura do rosto. No momento, a moldura do meu rosto tem sido meus brincos nada pequenos que uso, garante, aos risos. E ela conta ainda que o curtíssimo precisa, sim, de cuidados, principalmente com o sol. Corto uma vez por mês e passei a usar mais protetor como abuso de chapéu e boné, explica.

ME SINTO MAIS MULHER DEPOIS QUE RASPEI O CABELOMoradora de Niterói, a consultora pedagógica e estudante de psicologia Jade Brito, de 27 anos, decidiu raspar depois de uma conversa entre amigos sobre estereótipos e feminismo no fim do ano passado. Eu era cacheada, então os elogios eram sempre relacionados ao meu cabelo. Quando eu decidi raspar, um amigo meu disse: Jade, você sabe que vai ficar mais masculina, né? Nesse sentido, eu me senti mais livre por estar quebrando um padrão que não nos pertence. O que é ser mulher, afinal? É ter cabelo? É ter peito? Não ter pêlos no corpo? Comecei a questionar muito isso e só por isso já é muito libertador. Eu me sinto muito mais mulher depois que raspei meu cabelo, diz ela. Desde então, Jade se depara com situações que antes não faziam parte de seu cotidiano. Entrar no ônibus é sempre um causo: sempre tem um olhar de estranhamento ou de admiração. E encontrar com idosos em elevador, em qualquer lugar assim: eles sempre ficam assustados. Por mais engraçado que isso seja, a careca me passa um poder tão grande que eu não tô ligando para esse olhar, pondera.

NÃO É CABELO DE MENINO OU DE MENINA, É DE TODO MUNDOA produtora cultural Yasmin Victória passava pelo processo de transição capilar quando decidiu se livrar do cabelo longo, mas só tomou a decisão, de fato, ao viver um caso de doença na família. Meu marido na época não era a favor, então isso era uma questão dentro de casa até que minha tia descobriu um câncer. Ela era uma pessoa muito importante para mim e um dia ela me ligou chorando muito falando que iria raspar a cabeça. Eu decidi acompanhá-la porque era o que faltava para que essa decisão se concretizasse. A ideia inicial era deixar crescer, mas já faz dois anos e dois meses e decidi manter, afirma a carioca, que viu uma nova mulher surgir: Mudei meus looks, antes eu não conseguia usar determinadas roupas e agora elas funcionam, adotei mais tatuagens. Yasmin conta ainda que já foi questionada por crianças, mas explica com naturalidade sua escolha, desassociando aparência a questões de gênero: Eu acredito que o cabelo é um acessório, para desmistificar isso que mulher tem que ter cabelão, porque acho que isso ainda é um tabu. Alguns meninos e meninas estranham, mas eu falo: não é cabelo de menino ou menina, é cabelo de todo mundo’.

Solução para combater a queda de Cabelo: composto natural HairPower – Dica Exclusiva

hairpower 1

HairPower , o mais novo suplemento que ganhou prêmios internacionais, HairPower funciona!